Rômulo Ávila

Coluna do Rômulo Ávila

Veja todas as colunas

Sorte não supera erros infantis da defesa atleticana

20/09/2019 às 10:35

Emanuel Olivera, camisa 6 do Colón, tem 1.80 de altura e sempre vai para a área em lances ofensivos do time argentino. É um jogador que merece atenção especial dos defensores rivais. Será que o Atlético não sabia disso?

Foi Olivera que apareceu livre, leve e solto na área atleticana para desviar, de cabeça, a cobrança de escanteio que resultou no gol de empate no primeiro duelo decisivo da semifinal da Sul-Americana.  Erro coletivo inaceitável para um time que tem gigantes como Réver e Igor Rabello. No lance, eram nove atleticanos na área para marcar seis argentinos. 

Reprodução DAZN

Mas a liberdade dada a Olivera não foi o único erro coletivo da defesa do Atlético. Passes equivocados na retomada da jogada, especialmente de Fábio Santos e Zé Welison, e marcação distante são vacilos frequentes. Basta analisar o gol da vitória do Colón. Eram quatro jogadores do Atlético na pequena área marcando a bola e ninguém se preocupou com o único argentino presente. 

Reprodução DAZN

Não há sorte, como no gol espírita de Chará, que supere tantos erros defensivos. Que sirva de lição para o confronto decisivo. É bê-a-bá do futebol marcar o jogador e não a bola. Alguém precisa avisar isso para o Atlético.

Leia também:

Um turno para ser diferente

Relembre os gols sofridos pelo Atlético na partida: 

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    Dados foram atualizados pela Secretaria Estadual de Saúde.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    ⚽Em Belo Horizonte, em 1906, nasce Ricardo Pierri Chiari, o Piorra, um dos grandes ídolos do Palestra Itália (Cruzeiro) e que integrou o grande time tricampeão mineiro em 1928...

    Acessar Link